Crer capacita seus profissionais sobre manejo de pacientes internados

Treinamento ofertado na unidade do Governo de Goiás busca sensibilizar as equipes assistenciais sobre como movimentar os pacientes nos leitos da internação

Profissionais do Crer participam da capacitação que visa maior empatia no exercício do cuidado

Po.si.cio.nar: de acordo com o Dicionário Oxford, há dois significados para esse verbo. Um significa colocar algo ou alguém, ou a si mesmo, numa determinada posição; o outro significaria assumir uma opinião, declarar um entendimento quanto a determinado fato ou situação.

Essa pluralidade de significados é utilizada de modo muito sagaz pela equipe multiprofissional da internação do Centro Estadual de Reabilitação e Readaptação Dr. Henrique Santillo – Crer, ao realizar a capacitação cunhada como Posicione-se!

Para qualificar ainda mais as equipes, além dos aspectos técnicos sobre abordagens de transferência de posição dos pacientes e meios de prevenir danos, a capacitação Posicione-se! tem a finalidade de sensibilizar as equipes assistenciais para que assumam o protagonismo na relação de cuidado, colocando-se no ‘lugar’ do paciente, ‘posicionando-se’ de maneira mais empática no exercício do cuidado.

A expectativa da ação é alcançar a todos os profissionais dos postos da internação e da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da unidade do Governo de Goiás, entre eles, enfermeiros, técnicos de enfermagem, fonoaudiólogos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, odontólogos e psicólogos.

Capacitação continuada 
Por meio de iniciativas de monitoramento de indicadores e da observação detida sobre o trabalho do cuidado exercido no Crer, a unidade de saúde identifica as necessidades de treinamentos e capacitações e realiza planos de aperfeiçoamento e atualização cíclicos.

O supervisor de Reabilitação Multiprofissional, Eduardo Martins Carneiro, explica que, como centro de reabilitação, o Crer sempre está atento ao posicionamento do paciente, pois, assim, evitam-se danos como contraturas, deformidades, edemas, lesão por pressão, broncoaspiração etc. Em suma, para o profissional, o posicionamento correto do paciente potencializa a sua recuperação e a realização de atividades mais funcionais.

Ele ainda complementa: “A ideia é conectar todos os profissionais que assistem na internação do hospital, orientando-os em uma mesma direção dedicada ao conforto e à recuperação dos pacientes. Por isso, realizamos vários treinamentos específicos com a presença de toda nossa equipe multidisciplinar, porque, na prática, toda assistência desempenhada na instituição é realizada de modo coletivo e colaborativo”, afirma o supervisor.

O enfermeiro Cristiano Rodrigues dos Reis participou da capacitação e teve a incumbência de sinalizar quais seriam os pontos críticos do posicionamento no leito de um suposto paciente. Ao realizar as marcações com um adesivo, ele ressaltou que é preciso trazer à tona, na relação de cuidado, a opinião e os sentimentos dos pacientes.

“Eu sou um assistente, mas poderia ser, também, um assistido. Eu procuro sempre pensar se naquele atendimento que eu estou prestando, se eu estaria confortável caso estivesse no lugar do paciente. Então, eu sempre procuro esse lugar da empatia com o paciente, com o familiar”, exemplifica o exercício.

“Assim, a equipe realiza melhor o plano terapêutico e o paciente se sente acolhido, compreendido. É explicar a ele [paciente]: 'este é o posicionamento correto. Está satisfatório para o senhor?' Se não houver alguma insatisfação, nós buscamos um outro posicionamento e dialogamos com a equipe uma forma de garantir maior conforto”, acrescenta Cristiano.

Cuidado partilhado
Os ministrantes da capacitação, José Audete de Medeiros Jr., fisioterapeuta; e Karina Rios Tannus, terapeuta ocupacional, atuam no Serviço de Reabilitação ao Paciente Internado do Crer. Para o fisioterapeuta, esse projeto não diz respeito às atribuições para reabilitação que sejam exclusivas de fisioterapeutas ou terapeutas ocupacionais. 

“No Crer, a gente trabalha sempre em equipe, a gente tenta falar sempre a mesma linguagem e essas interações e oportunidades de compartilhar conhecimento facilita muito o manejo com os pacientes. Claro que o paciente é o principal beneficiário, porque, muitas vezes, não há uma real noção de como um bom posicionamento no leito pode mitigar uma série de fatores prejudiciais ao paciente a longo prazo”, explica José Jr.

Enquanto Karina acrescenta que dedicar atenção ao posicionamento dos pacientes é essencial, pois, ao aplicar essa técnica, é possível prevenir dores e possibilitar conforto e recuperação rápida a esses. 

Sckarleth Martins (texto e foto)/Agir

 

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.