Crer promove grupo terapêutico voltado a adolescentes do espectro autista, deficientes intelectuais e seus familiares

Atualmente, estão em tratamento na unidade do Governo de Goiás, 268 pacientes diagnosticados com Transtorno do Espectro Autista (TEA) e com deficiência intelectual

O diagnóstico, tratamento e a inclusão da pessoa com Transtorno do Espectro Autista (TEA) ainda são desafios enfrentados pela ciência, pelos profissionais da saúde e por seus pais e/ou cuidadores. E um dos pontos de maior lacuna na discussão do tema é o autismo na adolescência, afinal, chega um momento em que todas as crianças crescem. E foi pensando neste período de intensas transformações físicas, emocionais e hormonais que o Centro Estadual de Reabilitação e Readaptação Dr. Henrique Santillo – Crer, criou o grupo terapêutico Vivências Práticas e Empoderamento Familiar: preparando para a vida, voltado a adolescentes de 13 a 18 anos autistas, com deficiência intelectual e a seus pais e/ou cuidadores. 

O projeto piloto tem como objetivo acolher, informar e orientar pacientes e familiares durante essa transição da infância para a adolescência. “Nossas crianças estão crescendo e, diante deste fato, observamos que ainda estamos muito focados na infância. Então, criamos este grupo voltado exclusivamente a adolescentes e seus cuidadores para que possamos trabalhar temas específicos para esta fase da vida. Criamos situações e vivências relacionadas às demandas dos adolescentes e trabalhamos junto aos pais e cuidadores as principais dúvidas relacionadas ao contexto familiar”, explicou Sofia Gomes Martins, psicóloga do Crer e umas das condutoras da terapia.

Com duração de seis meses, o grupo trabalhou interação social, independência funcional, psicomotricidade, musicalidade e demandas familiares como a puberdade. Segundo a psicóloga, entre os pais e cuidadores o tema sexualidade se destacou durante os encontros terapêuticos. “Essa é uma preocupação das famílias. Sabemos que ainda existe um certo tabu ao falar sobre sexualidade, ainda mais se tratando de um adolescente com deficiência intelectual. Por isso, orientamos pais e cuidadores a entenderem os sinais e a melhor forma para abordar o assunto dentro do contexto familiar”.

Mãe do paciente Thallisson Braga, diagnosticado com deficiência intelectual, Fabiana Santana Braga Simões elogiou a abordagem e a condução do tema durante os encontros terapêuticos na instituição. “Ter esses encontros voltados aos temas da adolescência nos despertou para vários assuntos, dentre eles a sexualidade. Pra mim sempre foi um desafio falar de sexualidade com meu filho, por não saber muito como abordar este tema. Saio desse grupo mais confiante e muito bem orientada pelos profissionais do Crer”.

O grupo foi conduzido pelos profissionais do Crer: Isabella Mendes (Fonoaudióloga); Sofia Gomes Martins (Psicóloga); Elvira Alves (Musicoterapeuta); Gisele Helena Costa (Terapeuta Ocupacional) e Cléber Alexandre da Silva ( Educador Físico). Um novo grupo Vivências Práticas e Empoderamento Familiar: preparando para a vida foi formado e as terapias começam na próxima semana, 17 de novembro.

Clínica Intelectual

No Crer, pacientes autistas e com deficiência intelectual recebem assistência multiprofissional desde os seus primeiros anos de vida, contemplando o desenvolvimento sensório motor e, principalmente, a perspectiva intelectual por meio de terapias individuais e em grupo. Para tanto, a Clínica Intelectual do hospital, onde se concentra essa assistência, conta com atendimentos em psicologia, musicoterapia, alfabetização e pedagogia, arteterapia, equoterapia, atividades de vida diária e outros.

Paciente em tratamento no Crer.

Além dos pacientes, pais e/ou cuidadores também são assistidos pela instituição, com a realização de reuniões, atendimentos individuais e em grupos para empoderamento dos mesmos. “Os pais e/ou cuidadores são essenciais no tratamento dos pacientes, já que são eles que passam a maior parte do tempo com os pacientes, exercendo assim o papel fundamental e importantíssimo de co-terapeutas”, ressalta a gerente de Reabilitação Auditiva e Intelectual do Crer, Thaís Nasser. Atualmente, 268 pacientes autistas e com deficiência intelectual estão em tratamento no Crer.

Texto: Rafaela Bernardes / Agir
Foto: Divulgação

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.