“Olho para os pacientes como se fossem da minha família”, diz maqueiro do Hugo

Conheça a história de Izael Fernandes, que conquista público interno da unidade do Governo de Goiás com carisma, carinho e amor

Izael Fernandes: “Não estou aqui por dinheiro, (…) mas porque amo as pessoas e aprendo com Jesus Cristo

Uma vida de luta e superação para alcançar o sonho de poder cuidar das pessoas. É assim que podemos definir a história de Izael Fernandes, de 43 anos, maqueiro do Hospital de Urgências de Goiás Dr. Valdemiro Cruz (Hugo). De família humilde, Izael saiu de Itaporã no Tocantins e chegou a Goiânia, ainda criança, em busca de novas oportunidades.

Casado e pai de duas filhas, trabalhava como motoboy quando teve uma proposta que mudou sua vida. Izael conta que, durante uma corrida, pegou um passageiro que trabalhava de forma terceirizada para a unidade do Governo de Goiás. Esse cliente perguntou se Fernandes teria vontade de trabalhar no Hugo. Izael prontamente respondeu que sim, e o cliente pediu que ele procurasse a empresa, pois teria uma vaga para ele na unidade de saúde.

“O meu desejo de trabalhar na área da saúde nasceu quando fui levar a minha filha de 9 meses em uma unidade de saúde e, infelizmente, fomos muito mal atendidos. Isso me despertou a vontade de atuar em hospitais e fazer a diferença. Não estou no Hugo por dinheiro, estou aqui porque amo as pessoas e aprendo com Jesus Cristo”, disse.

A pandemia da Covid-19 revelou que os profissionais da saúde trabalham incansavelmente para cuidar do amor de alguém. Com Izael, não é diferente. O maqueiro revela que, para trabalhar no Hugo, é preciso ter amor. “Você não tem que fazer o seu trabalho por amor, mas sim com amor. Quando você faz por amor, espera algo em troca. E quando fazemos com amor, a vontade de Deus flui e fazemos com excelência”, afirma.

Afago e atenção
O amor de Izael pelo que faz se estende de forma carinhosa aos pacientes do Hugo conduzidos por ele. Sempre atencioso, trata os usuários de uma forma única, com afago e atenção, o que faz diferença e aquece o coração de quem está em um ambiente hospitalar. “As pessoas têm sentimentos, e eu, também. Eu olho para os pacientes como se fossem da minha família e procuro tratá-los da melhor forma possível. Se eu não fizer assim, parece que tem um vazio em meu coração e em minha alma”, revela.

'Quem semeia o bem semeia amor e colhe a paz', diz Izael, que vem colhendo coisas boas desde que entrou na unidade de saúde. “Quando entrei no Hugo, não tinha nada financeiro. Depois que comecei a trabalhar aqui, aconteceram bênçãos na minha vida. Eu consegui comprar um lote, estou construindo minha casa e comprei meu carro. Tem muita gente que ganha mais e não prospera, e eu prospero com o meu trabalho. Recebo carinho e orações dos pacientes”, disse emocionado.

Izael trabalha na recepção de classificação de risco do Hugo, espaço que recebe pacientes da emergência e acomoda quem vai receber atendimento ambulatorial. “Eu amo atender, eu amo ficar na porta do Hugo, amo esse lugar. O Hugo é minha vida. Trabalhar aqui me proporcionou minha maior felicidade, pois me tirou do pó e me ergueu do monturo e me fez assentar entre os príncipes do seu povo”, revelou.

Julianna Adornelas - INTS 

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.