Policlínicas Estaduais de Goianésia e Posse incentivam doação de sangue

Em alusão ao Dia Nacional do Doador de Sangue, unidades do Governo de Goiás realizaram palestra sobre o tema

Enfermeira Larissa Nolasco Guimarães ministra a palestra Seja um doador de sangue, em Goianésia

Com o objetivo de informar e esclarecer colaboradores e pacientes sobre a importância de ser um doador de sangue, as Policlínicas Estaduais das Regiões Vale do São Patrício – Goianésia e Nordeste – Posse realizaram, nesta quinta-feira (25/11), palestras em alusão ao Dia Nacional do Doador de Sangue.

Em Goianésia, a palestra Seja um doador de sangue foi conduzida pela enfermeira Larissa Nolasco Guimarães Saiki. A profissional iniciou falando sobre a data comemorativa. “A data, além de homenagear as pessoas que reservam um tempo do seu dia para doar sangue, também serve para informar e reforçar sobre a importância desse ato”, explica.

A enfermeira abordou os tipos de sangue e utilizou uma tabela para demonstrar que todos os tipos sanguíneos são importantes e quem pode ser o receptor para cada tipo. “Os tipos sanguíneos servem para classificar o sangue de acordo com a presença de duas proteínas no plasma, chamadas de aglutinogênio A ou aglutinogênio B. Sendo assim, o tecido sanguíneo foi classificado de acordo com os tipos A, B, AB e O, conhecido como sistema ABO”, destacou.

Larissa Nolasco reforçou com o público o local de doação de sangue.“Em Goianésia, temos o Banco de Sangue do Laboratório São Carlos, que realiza este tipo de serviço. Você é a gota que faltava, doe sangue e salve vidas”, conclamou.

Na Policlínica de Posse, o enfermeiro Luiz Eduardo conscientizou sobre a importância da doação

Posse
Na Policlínica Estadual da Região Nordeste – Posse, o enfermeiro Luiz Eduardo Veras conscientizou sobre a importância da doação, além de mobilizar novas doações para aumentar os estoques de sangue. “A doação de sangue é um ato voluntário que pode ajudar a salvar muitas vidas. Em cada doação, uma pessoa doa, no máximo, 450 ml de sangue, e essa única doação pode salvar a vida de até quatro pessoas”, disse.

Luiz Eduardo ressalta que, em cerca de um dia, o organismo já repõe a quantidade de sangue que foi retirada na doação. “Doar sangue é um ato seguro e todos os materiais usados no procedimento são descartáveis. Desse modo, não há riscos de você ser contaminado ao fazer a doação”, afirma.

Quem pode doar
Podem doar sangue as pessoas que tiverem idade entre 16 e 69 anos. Menores de 18 anos só podem doar com a autorização dos responsáveis legais. Todo doador deve apresentar um documento original com foto. Se o voluntário tiver almoçado, o procedimento deve ser feito três horas depois.

Se for um doador frequente, é preciso obedecer ao intervalo para a doação, que deve ser de dois em dois meses, para homens, que podem doar no máximo quatro vezes por ano, e de três em três meses,  para mulheres, que podem doar no máximo três vezes por ano.

Para ler também sobre a ação alusiva ao Dia do Nacional do Doador de Sangue realizada pela Policlínica Estadual da Região Sudoeste – Quirinópolis, clique AQUI

Julianna Adornelas (texto e foto)/Instituto CEM

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.