Hospital Estadual de Formosa salva vida de paciente com grave lesão no coração

Com grande corte no ventrículo esquerdo e quadro de hemorragia, paciente é submetido a procedimento urgente, atípico e bem-sucedido

HEF, que recebe casos de baixa, média e alta complexidade, atendeu paciente em extrema gravidade

O Hospital Estadual de Formosa (HEF) realizou um procedimento urgente e atípico. A unidade do Governo de Goiás no Entorno do Distrito Federal recebeu um paciente em estado gravíssimo com lesão no ventrículo esquerdo do coração. Após a equipe hospitalar constatar a hemorragia e o quadro de emergência, foi realizada uma toracotomia e cardiorrafia para salvar a vida do paciente.

De acordo com o coordenador do centro cirúrgico, Paulo Roberto, foi verificado o quadro gravíssimo do paciente assim que ele deu entrada no hospital. Contudo, naquela ocasião, não havia tempo hábil para transferência a um destino que fosse referência em cardiologia. Com esse cenário, o paciente não chegaria a tempo de sobreviver em razão do volume de seu sangramento e da lesão delicada localizada no coração.

O hospital recebe casos de baixa, média e alta complexidade, e esse é um quadro clínico atípico e de extrema gravidade que foi recebido pelos profissionais. A diretora do HEF, Ana Brito, explica que a equipe multidisciplinar da unidade recebe diversas capacitações e treinamentos constantes para que todos estejam preparados para atuar em casos de urgência e emergência.

Toracotomia de urgência
O cirurgião geral do HEF, Luiz Galli, se prontificou a realizar a toracotomia de urgência no paciente, que é uma operação em que a parede torácica é aberta para visualizar os órgãos internos do tórax. Ao abrir, foi identificado a existência de um grande corte no coração.

Desse modo, Galli realizou a cardiorrafia, que é o ato de costurar ou suturar um ferimento no coração. Assim, o paciente conseguiu normalizar aos poucos sua circulação sanguínea. Ele foi transferido para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do HEF para ser entubado.

Em pouco tempo, o paciente foi extubado em razão da evolução de seu quadro clínico e permaneceu mais dois dias na UTI. Por fim, foi encaminhado à clínica médica, a fim de verificar se o quadro permanecia estável. Depois de uma rápida recuperação, ele pôde voltar para casa.

“Para realizar um atendimento de emergência de alta complexidade, como a cirurgia cardíaca que foi feita, precisa ter vocação e o propósito de salvar vidas. A nossa equipe vem realizando diversos procedimentos cirúrgicos com muita paixão pelo que faz. É muito significativo e importante para nossa unidade”, ressalta Ana Brito, diretora do HEF.

Yasmin Bernardes (texto e foto)/Imed